Planejamento financeiro: o que deve ser levado em consideração?

Planejamento financeiro: o que deve ser levado em consideração?

Gerenciar qualquer área da vida, seja pessoal ou profissional, exige reflexão e uma boa dose de bom senso. Quando se trata de dinheiro, não é diferente. A experiência ensina muito, mas melhor do que se preocupar é se ocupar!

Por isso, o planejamento financeiro é fundamental para alcançar a tão sonhada estabilidade nas finanças da família. Tarefa difícil nos dias de hoje, não é mesmo? Se para você, porém, ficar no vermelho não é um opção, confira agora um pouco mais sobre a importância do planejamento financeiro e quais as etapas a serem seguidas para incorporá-lo à sua vida!

Comece seu planejamento financeiro

Por que fazer um planejamento financeiro? Esta é a primeira pergunta que você deve se fazer. Quer viajar com a família? Juntar dinheiro para comprar um carro, um imóvel ou para pagar a faculdade dos seus filhos? Pense em algo relevante para você (mesmo que atingível apenas em longo prazo), bote a meta no papel e siga para a próxima etapa.

Responda em seguida a mais duas perguntas: quando deseja atingir os objetivos que tem em mente e quanto será preciso? Certamente viajar com a família no fim do ano é mais urgente e barato do que economizar aquele valor que vai bancar a faculdade do seu filho ainda pequeno. Considere tudo isso, estime montante e tempo para realização de cada projeto e ponha-os também na ponta do lápis!

Por fim, é preciso ser realista para responder a esta última pergunta: seus projetos são viáveis? Será que conseguirá concretizá-los com a atual renda da sua família? Está considerando os contratempos que podem se intrometer entre você e seus sonhos?

Pense em objetivos reais

A resposta para a última pergunta tem a ver com o clássico erro de contar com o ovo antes da galinha. Muitos pensam que conseguirão um aumento salarial de 10% ao ano, que terão renda extra com um negócio próprio, entre outras projeções. Otimismo ou fantasia? Se seus projetos se parecem com aquelas nunca cumpridas promessas de início de ano, atenção!

Assim, tenha os pés no chão quando for traçar os objetivos do seu planejamento financeiro. Não pense em comprar um carro que custe 80 mil daqui a 12 meses se a renda bruta anual da sua família é de 100 mil reais. Afinal, é bem provável que a líquida esteja bem abaixo do valor do automóvel, certo? Então, para facilitar, prefira comprá-lo daqui a 2 ou 3 anos, ou em suaves parcelas.




Organize seus gastos

Agora que já definiu suas prioridades, é hora de organizar seus ganhos e gastos, dividindo-os em categorias. Fazer isso com a ajuda de uma simples planilha de Excel, atualizada a cada entrada ou saída de valores, pode simplificar imensamente a tarefa de um planejamento financeiro!

Inicialmente, na categoria ganhos, você pode listar a renda total da família, vendas de artigos, pagamentos por serviços (um item muito importante caso algum membro do núcleo familiar realize alguma atividade que gere dinheiro extra), rendimentos de ações (se for o caso), entre outros itens. Existem diversos tipos de recebimento, mas o importante aqui é listar tanto os fixos quanto variáveis.

Para a categoria gastos, pense nos básicos, isto é, relativos a: alimentação, moradia, lazer, transporte, entre outros. Você pode detalhar ainda mais esses valores, abrindo subitens (como compras de supermercado, lanches fora de casa, aluguel, condomínio, idas ao shopping ou ao cinema, gasolina, transporte público, entre outros).

Atualize seu fluxo de caixa

Essa etapa costuma ser a mais chata (principalmente se você está começando), mas também a mais decisiva de todo o processo, já que exige compromisso e persistência. Afinal, para que o planejamento seja efetivo, a planilha deve ser atualizada diariamente, do contrário, as despesas sairão do controle, e um bom acompanhamento ao longo de meses pode se perder com poucos dias de indisciplina!

Além disso, o ideal é que as entradas e saídas fixas sejam inseridas logo no início de cada mês para evitar esquecimentos. A regra de ouro é evitar o acúmulo! Lembre-se de marcar o status de pago ou recebido sempre que algum lançamento acontecer.

Também fique de olho nas compras feitas no cartão de crédito. Guarde as vias de compra até anotar na planilha ou acompanhe os lançamentos online para que esses valores não fiquem de fora do seu planejamento. Por fim, monitore o fluxo de caixa para saber se está tendo lucro ou prejuízo, isto é, para situar onde você está em relação às suas possibilidades financeiras. Ao longo de um trimestre, você já terá uma noção concreta de como seguir adiante!

Estabeleça metas de economia

Depois de definir os seus objetivos e organizar os seus gastos, é hora de estipular pequenas metas para chegar ao resultado final. Voltemos ao exemplo do carro de 80 mil, a ser comprado num espaço de tempo de 2 anos. Essa meta parece ser muito distante, quase impossível, visto que você ganha 100 mil por ano, concorda?

Além disso, depois de fazer todos os cálculos, você percebeu que a sua renda líquida só pode chegar a 30 mil por ano e, portanto, o sonho só será concretizado em pouco mais de 3 anos. Desanimador, certo? Tanta coisa pode mudar no planejamento financeiro ao longo desse período! Sendo assim, por que não repensar a forma de atingir esse objetivo?

Se o seu teto de lucro anual é de 20 mil, pense em 15 mil (pouco mais da metade do valor total devido aos imprevistos ou outros investimentos). Então, divida-o entre 12 e você chegará à quantia de 1.250 reais mensais. Agora o valor não parece tão alto, não é verdade?

É claro que, como você já sabe, em qualquer planejamento, imprevistos acontecem. Por exemplo, você pode ter um objetivo ainda mais distante porque verificou, com base no seu fluxo de caixa, que o seu lucro líquido é pequeno. Mas o importante aqui é deixar o objetivo mais alcançável, decompondo-o em pequenas metas. Batê-las mensalmente lhe dará mais motivação para prosseguir!

Invista

Você pode querer investir na previdência privada, caso esteja pensando na sua aposentadoria, ou em estudos sobre educação financeira, a fim de otimizar os seus ganhos na bolsa de valores ou no Tesouro Direto, entre outros cenários. São muitas as oportunidades disponíveis para engordar seus rendimentos ou ampliar seus conhecimentos sobre o assunto!

O planejamento financeiro não precisa ser algo tão complicado quanto o nome aparenta ser. É bem provável que você consiga esticar muito mais a renda familiar seguindo essas etapas básicas.

Que tal ajudar também seus amigos a começarem o ano com a saúde financeira em dia? Compartilhe este post nas suas redes sociais!