Orçamento familiar: saiba como elaborar de forma simples

Orçamento familiar: saiba como elaborar de forma simples

Um bom controle financeiro contribui — e muito — para uma vida mais tranquila. Agora, é possível controlar adequadamente o dinheiro sem ter domínio sobre o orçamento familiar?

Nunca encontramos ninguém que respondesse “sim” a essa pergunta.

E esse é um tema bastante caro ao Brasil, onde muitas famílias estão, neste momento, lutando para honrar com compromissos firmados com credores. Um melhor controle sobre o orçamento familiar facilita a superação desse desafio e previne novos endividamentos.

Neste artigo, vamos ajudar você a refletir sobre essas questões. Você vai ver por que o cuidado com o orçamento de uma família é essencial e a importância de ele ser bem gerido. Vai ver, também, que esse controle tem resultados práticos e subjetivos, podendo, inclusive, melhorar o convívio em casa.

Continue a leitura para ter dicas de como controlar o orçamento familiar de maneira simples, rápida e eficiente!

O que é, afinal, o controle de orçamento familiar

Entenda como manter o controle e organizar o orçamento familiar

Um controle de orçamento familiar é uma ferramenta usada para indicar como a renda familiar é utilizada em vários itens: de gastos com o domicílio aos “luxos”, passando por educaçãoviagens etc.

Por meio dele, é possível ter uma visão global e periódica — mensal, trimestral, semestral, anual — de como está sendo alocado o montante de dinheiro produzido.

Muitas vezes, no cotidiano agitado que temos, não percebemos que determinadas despesas estão acima do que esperávamos — ou do que é saudável financeiramente para a nossa família.

Quando o orçamento familiar não é bem controlado, aquela máxima “quanto mais ganhamos, mais gastamos” se torna verdade. O contrário também ocorre: controlar bem o orçamento ajuda a fazer o dinheiro render.

Um orçamento familiar pode ser simples ou detalhado, dependendo das necessidades de controle. Ou seja, pode ser uma listagem modesta ou pode incluir percentuais, por exemplo, resultados de uma análise mais profunda. De uma forma ou de outra, ele só existe quando se cria o hábito de anotar todas as despesas.

Normalmente, começa-se pelo orçamento simples — uma planilha onde estão discriminados todos os custos fixos e variáveis da família em um mês. Depois, ao ver o resultado do controle, a família pode desenvolvê-lo.

Um outro ponto interessante é que essa ferramenta pode ajudar a gerar conscientização. Quem sempre reclama que os filhos gastam muito normalmente não conseguiu mostrar para eles o volume de gastos e seus impactos. Portanto, o orçamento familiar também pode ser um meio de educação financeira.

materiais educativos

A partir do momento em que todos dominam esse controle, o estabelecimento de metas em conjunto e seu cumprimento passam a ser mais fáceis. Comprar um imóvelfazer uma viagem ao exterior… Há muita coisa que as famílias querem fazer, mas não o fazem porque seu orçamento não permite.

Resumindo: o controle do orçamento familiar é essencial para quem quer planejar bem as suas finanças, poupar mais e investir melhor. O ideal é usá-lo de maneira preventiva e colocá-lo na rotina da casa, não apenas na hora em que o dinheiro começa a ficar curto.

Quais são as vantagens práticas de controlar o orçamento familiar

Para aprofundar o seu entendimento sobre a importância do orçamento familiar, é importante detalhar os benefícios práticos que ele oferece. É isso que você vai ver na lista a seguir.

O orçamento familiar:

• auxilia na distribuição adequada da renda familiar para uma vida satisfatória;

• é um meio valioso de comparar vários itens e dimensionar o que realmente é essencial e o que pode ser reduzido e/ou cortado;

• diminui o consumo supérfluo e por impulso, pois traz consciência financeira a todos;

• facilita o ajuste do rendimento baixo ou irregular às despesas regulares;

• ajuda a viver melhor com a própria renda, inclusive em momentos de crise macroeconômica;

• contribui para a realização de sonhos, pois proporciona formas de pensar em meios de poupar;

• facilita a identificação dos gastos desnecessários e extravagantes;

• determina como uma família pode usar todos os seus recursos;

• ajuda a economizar para o futuro;

• mantém a família livre de preocupações financeiras e ansiedades;

• encoraja a tomada consciente de decisões;

• serve como um registro para análises futuras;

• torna o diálogo familiar sobre finanças mais fundamentado em dados;

• serve como um guia financeiro da família;

• aumenta o senso de cooperação financeira entre os membros da família;

• distribui responsabilidades no armazenamento de renda;

• facilita a entrada para o mundo dos investimentos financeiros.

Como elaborar um controle de orçamento familiar a partir de hoje

Agora que já relembramos a importância e as vantagens práticas, confira nossas dicas para a elaboração de um controle de orçamento familiar bem prático.

Anote todas as suas transações financeiras

O primeiro passo para elaborar seu orçamento, antes mesmo de definir quanto sua família poderá gastar, é passar um mês anotando todos as entradas e saídas.

Não deixe nenhum valor de fora, nem o cafezinho no final do dia ou os trocados que você deu para o flanelinha.

Também inclua todas as fontes de renda da casa. Se houver mais de um provedor, acrescente todos os salários no mesmo orçamento (explicaremos o motivo disso a seguir).

Para fazer essas anotações, você pode lançar mão de aplicativos de celular, planilhas, papel e caneta, enfim, o que funcionar melhor para você!

Só não se esqueça de atualizar a ferramenta escolhida pelo menos uma vez por dia para que as informações sejam realmente confiáveis.

Faça projeções para o orçamento familiar

A partir das anotações feitas no primeiro mês, você poderá fazer um diagnóstico de como vai a situação financeira da sua família: estamos tendo mais gastos do que ganhos? Para onde nosso dinheiro está indo? Essas são perguntas fundamentais a se fazer.

Uma boa dica para realizar essa análise é separar os gastos por categorias, como educação, supermercado, lazer, despesas com o carro etc.

Nesse momento, também não se esqueça de dividi-los entre os fixos — aqueles cujo valor não varia ou varia pouco a cada mês, como aluguel, mensalidade da escola dos filhos, água e luz — e os variáveis. Normalmente, é mais fácil economizar nos últimos.

Com esse diagnóstico em mãos, você pode fazer uma projeção de quanto gastará no mês seguinte e já ter algumas indicações de como é possível economizar.

Por exemplo, se você percebeu que foi despendido um valor mais alto do que imaginava com a assinatura de um serviço que não usa — como um pacote de canais de TV a cabo — já pode dar um fim melhor ao dinheiro. Talvez mudar para um pacote menor, que comporte os canais que realmente interessam? Avalie.

Não abra mão do lazer com os membros da família

Veja como incluir o lazer no seu orçamento familiar

Muitas pessoas relutam em fazer um orçamento familiar porque acreditam que economizar significa abrir mão de qualquer conforto ou prazer. Não é bem assim!

Um erro comum é cortar todo o lazer para guardar mais dinheiro: isso só torna mais difícil seguir o plano e aumenta as chances de desistência no meio do caminho.

Em vez de pensar em cortes de gastos, pense em equilíbrio. Tudo bem você sair para jantar com a família em alguns finais de semana ou gastar um pouco mais em uma compra, desde que você reduza as despesas em outras categorias.

Um exemplo bem prático: se você sabe que tem um aniversário em um restaurante no sábado, pode levar almoço para o trabalho durante a semana, assim como as crianças podem levar lanches preparados em casa para a escola.

Dessa forma, você consegue se recompensar por todo o seu esforço e aproveitar momentos agradáveis sem estourar seu orçamento familiar.

Chame todos da família para participar

Já falamos da importância de considerar todas as fontes de renda juntas no seu orçamento. O motivo disso é simples: se você anotar apenas parcialmente os gastos que tiver, considerando apenas as suas próprias despesas e receitas, seu diagnóstico não ficará preciso o bastante.

É importante que todos da família estejam na mesma página quanto aos novos limites de gastos e aos objetivos. Por isso, quando estiver começando a elaborar o orçamento, chame todos para participar!

Leve em conta os desejos de cada um: uma pessoa pode preferir comer fora, enquanto outra pode abrir mão desse costume para não ter que cortar a TV a cabo, por exemplo.

O ideal é tentar chegar a um acordo que satisfaça a todos, não perdendo de vista as prioridades da união e da harmonia familiar.

Como dissemos, essa construção em conjunto do orçamento também é fundamental para que as crianças tenham suas primeiras noções de educação financeira. Elas vão sentir o quanto é inteligente cuidar bem do próprio dinheiro.

Torne o controle financeiro algo divertido

Essa dica é especialmente importante para quem tem filhos pequenos e adolescentes em casa. Falar de dinheiro não precisa ser algo chato, maçante. É possível tornar o controle de orçamento até divertido.

Que tal montar um painel em um local onde todos possam visualizar as anotações de entradas e saídas mensais?

Para que o desafio de poupar seja aceito sem grandes objeções, é interessante criar uma espécie de gincana. Definir um prêmio para quem conseguir poupar mais na cantina da escola, por exemplo, pode ajudar.

Você também pode combinar uma premiação para todos os membros da casa: que tal a tão sonhada viagem para a Disney se a família conseguir poupar o valor X?

Transforme seu cartão de crédito no seu melhor amigo

Pode parecer estranho ouvir falar em cartão de crédito para seguir um orçamento, já que ele é pintado como o vilão da saúde financeira. Porém, quando bem utilizado, o cartão pode até mesmo ajudar a manter suas finanças sob controle.

A primeira vantagem é que ele te permite centralizar os seus pagamentos.

Suponhamos que as contas da casa — a mensalidade da escola das crianças e a mensalidade da academia, por exemplo — tenham datas de vencimentos diferentes. Se você passar todas essas contas no cartão de crédito, o pagamento de todas elas fica reunido em um único dia (a data de fechamento da fatura). Assim, você consegue se organizar melhor e ter uma noção mais clara de quanto está gastando.

Além disso, você pode colocar o dinheiro que gastaria com essas contas em uma aplicação de baixo risco e alta liquidez — que não congela seu dinheiro por muito tempo — e resgatá-la na hora de quitar a fatura. Por menores que sejam seus rendimentos, já é dinheiro a mais na conta!

Adiante suas parcelas e evite juros do cartão

Pouca gente sabe, mas é possível pedir o adiantamento das parcelas de qualquer compra no cartão de crédito.

Assim, se você precisou parcelar uma compra porque não tinha o dinheiro em mãos na hora e agora conseguiu o valor, pode pedir o adiantamento das parcelas pendentes e evitar os juros sobre elas.

Essa também é uma excelente ideia se você tem dificuldade de poupar e não sabe se conseguirá guardar o dinheiro até o fechamento da próxima fatura.

Trabalhe sempre com uma margem de erro

Por fim, sempre trabalhe com uma margem de erro ao calcular seu orçamento: se, ao final dos seus cálculos, você concluiu que pode gastar 1.000 reais com o que quiser, coloque entre 10% e 20% desse valor como margem.

Isso é fundamental para balancear as flutuações das despesas variáveis e para o caso de emergências.

Com isso, caso esse valor a mais continuar intacto no fim do mês, ele pode ir para um fundo de reserva — como uma poupança ou um outro investimento de baixo risco — com o qual você pode contar se houver emergências e imprevistos.

O recomendado é que esse fundo tenha o equivalente a pelo menos três meses de renda. Outra ideia é investir esse dinheiro em uma previdência privada.

Preparar o orçamento familiar e controlá-lo com mais eficiência é urgente

Segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), em fevereiro de 2019, o índice de endividamento das famílias brasileiras atingiu um percentual preocupante: 61,5% estão inadimplentes. Ou seja, 61 de cada 100 domicílios não conseguiram honrar com suas dívidas.

O cartão de crédito é um dos principais tipos de dívidas. É com ele que 78,5% das famílias que estão nessa situação registraram atrasos. Por isso, é essencial aprender como utilizá-lo de forma inteligente e controlada, como mostramos.

Além dos problemas da macroestrutura econômica do país — pouca geração de emprego, principalmente —, esses números mostram o quanto a educação financeira familiar é urgente no Brasil.

Por meio do controle orçamentário, as famílias conseguem lidar melhor com o seu dinheiro e, se acabarem se endividando mesmo assim, podem sair do vermelho com mais rapidez.

Como você viu, estruturar e acompanhar o planejamento familiar é menos difícil do que se costuma pensar. Basta trazer a estratégia de controle financeiro para o seio da família.

Pense nisso como um divisor de águas na maneira com que o dinheiro é tratado em casa. Assim, o futuro de seus entes queridos possivelmente será melhor.

Com nossas dicas, você vai ver que elaborar e colocar em prática um orçamento familiar poderá entrar na rotina da sua casa. Gostou deste conteúdo? Então curta nossa página no Facebook e confira outros como ele!

Se quiser ter maior controle sobre seu orçamento familiar, você pode baixar a Planilha de Orçamento Pessoal da Mongeral Aegon e acompanhar de perto seus gastos.

seguro ideal