O que é plano financeiro?

O que é plano financeiro?

Você sabe exatamente quanto ganha? Parece loucura, mas acima de 40% dos brasileiros não sabem. E dentre os que estão endividados, 34% têm pouco ou nenhum conhecimento sobre seus gastos básicos mensais. Assustador, não? Pois é, esses dados mostram um exemplo perfeito do que NÃO É ter um planejamento financeiro mínimo para alcançar sucesso patrimonial.

É esse tipo de cultura que explica porque 65% dos cidadãos por aqui não têm nenhuma reserva financeira contra imprevistos, enquanto nos Estados Unidos esse percentual é de apenas 24%.

Acredito que grande parte da população sabe o que é plano financeiro e como ele impulsiona as pessoas a alcançarem seus objetivos. O problema é que planejamento financeiro é exatamente como dieta: trata-se de um sacrifício de renúncia do prazer presente em nome de um benefício futuro.

É nesse “abrir mão do hoje para desfrutar do amanhã” que está o grande calcanhar de Aquiles do brasileiro, acostumado a ser facilmente seduzido pelas armadilhas do crediário, cheque especial, rotativo do cartão de crédito, etc., enfim, pelo canto da sereia do usufruir hoje e pagar depois.

Se você está aqui, entretanto, é porque quer sair dessa espiral de insucesso e construir um futuro sólido, que te leve à independência financeira. Vamos aprender o que é plano financeiro, mas, sobretudo, como montar e seguir um.

O que é plano financeiro?

Você sabe o que é planejamento financeiro? A primeira coisa que você deve saber é que este não é um mero sonho, uma expectativa impossível de ser seguida. Acredite, você é o ser vivo mais adaptável do bioma terrestre, o que significa que ainda que você não tenha o hábito de ser regrado com suas contas, tudo é questão de treinamento, de condicionar sua mente e sua rotina para uma nova relação com o dinheiro. Vamos começar hoje?

Você já deve ter percebido que o furor da crise não sopra com a mesma violência em todos os telhados, certo? O que faz um país inteiro se digladiar para se manter financeiramente vivo, enquanto alguns poucos continuam impassíveis em sua marcha inalterável de enriquecimento e sucesso?

Veja bem, estamos falando de pessoas comuns, não de milionários. O segredo dessas pessoas é planejamento financeiro. Quem usa o dinheiro como um instrumento de acumulação de patrimônio, consome com estratégia/racionalidade e anda com os olhos no futuro, está totalmente preparado para os infortúnios que possam vir a acontecer.

Planejamento financeiro é guiar sua vida no ritmo da “bússola” do seu orçamento doméstico, criado para o atingimento de um objetivo de longo prazo, e que é seguido com rigor até a conquista de seus sonhos. Trata-se de uma projeção por tempo limitado, revisada e atualizada constantemente, realista e que trabalha com cenários distintos para aumentar suas chances de acerto.

É típica dos obstinados, de quem sabe que montar um bom planejamento financeiro e segui-lo até o final de sua jornada traz como consequência inevitável o sucesso financeiro e a acumulação de patrimônio.



Se você tivesse um plano financeiro desde o início, onde estaria hoje?

Você já parou para pensar quanto dinheiro já passou pela sua mão, desde que você começou a trabalhar?

Em uma conta rápida, suponhamos que você tenha 32 anos e trabalhe desde os 21. Imaginemos que você recebia uma bolsa-estágio de R$ 600,00, dos 21 aos 23 anos. Ao graduar-se, aos 24 anos, passou a receber R$ 2.500,00. Aos 27, foi promovido e passou a receber R$ 5.000,00 mensais.

Somando tudo isso, teríamos:

R$ 600,00 x 12 x 3 = R$ 21.600,00

R$ 2.500,00 x 12 x 3 = R$ 90.000,00

R$ 5.000,00 x 12 x 6 = R$ 360.000,00

TOTAL: R$ 471.600,00

Meu caro, pelas suas mãos já passou quase meio milhão de reais. Se desse montante, 40% tivesse sido investido (R$ 188.640,00), contando os juros que você receberia, você já poderia ter comprado uma casa. E talvez ainda te sobrasse algum “troco”!

Perceba que a linha tênue que divide seu sucesso financeiro da eterna “caminhada em círculos” é a capacidade de assimilar o que é plano financeiro, organizá-lo e segui-lo no longo prazo.



A importância da organização financeira

Um bom planejamento financeiro pode determinar todo o andamento de uma vida. Quando as pessoas conseguem alcançar os seus objetivos, traçam metas e estão devidamente equipadas para vencer momentos adversos, sem se desesperar se alguma coisa sair do controle. Realizar aquela viagem, trocar de veículo e até comprar um imóvel.

É necessário estar atento a cada detalhe sobre seu dinheiro. Quanto é a sua receita e o valor de suas despesas, como diminuir as dívidas, como renegociá-las (se for possível), quais os investimentos são mais viáveis em um determinado momento.

Quando não há uma organização financeira, é bem provável que existam desequilíbrios, e não é só em relação às finanças, isso começa a refletir em vários aspectos da vida (até no familiar). Eu considero isso um risco alto demais, você não acha? Muita gente, por falta de planejamento, deixa escapar até mesmo grandes oportunidades. Frustrante, não?

Ainda há tempo para correção de rumos! Montando seu planejamento financeiro agora

Faz sentido para você se eu disser que fazer um planejamento financeiro é simples demais e que, no entanto, os resultados são magníficos? Então vamos a um passo a passo para organizar suas finanças pessoais, construindo as bases para seu enriquecimento e sua independência financeira:

1. Mude seus conceitos para mudar seus resultados

Antes de irmos para a ação, é preciso impor uma mudança de conceitos em sua relação com o dinheiro. Uma pesquisa feita pelo SPC Brasil, em 2017, mostrou que 37% dos consumidores admitem ter adquirido produtos que não necessitavam, pela simples entrega ao impulso.

Se juntarmos essa pesquisa com uma outra mais antiga, de 2015, que revela que 79% dos brasileiros preferem comprar parcelado, temos aos nossos olhos a mais completa fórmula do fracasso financeiro (impulso + facilidade de comprar muito e pagar depois, mesmo sem saber como).



O primeiro passo para começar a trilhar seu caminho rumo à estabilidade financeira é entender que você deve ter uma condição de vida alinhada ao tamanho dos seus rendimentos. Outra regra inegociável é que seus pagamentos devem ser feitos todos à vista. Se não houver recursos suficientes para comprar um determinado bem, você deve juntar dinheiro até que o consiga adquirir à vista.

2. Organize uma planilha de orçamento doméstico

Você sistematiza seus gastos e ganhos em uma planilha de orçamento pessoal? Se a resposta é negativa, eis o momento para começar a criar esse hábito.

Se você não sabe o que é plano financeiro, tenha a certeza de que ele começa com esse simples passo. Coloque em sua planilha todas as suas receitas e despesas. Não subestime nem sequer os centavos que você recebe de troco no ônibus, nem os poucos reais que você gasta para comprar um snack depois do almoço, muito menos a conta daquela cerveja com os amigos no sábado à noite.

Tudo. Exatamente tudo deve estar em sua planilha.

3. Aprenda a discernir imprescindível x supérfluo e corte gastos desnecessários

Muita gente não sabe diferenciar o que é compra necessária do que é aquisição por impulso. Dessa forma, faça um pente fino em seu orçamento doméstico, marcando em cores distintas os gastos necessários, úteis e supérfluos.

Em seguida, estude a possibilidade de renunciar a estes últimos, ainda que temporariamente. Sabe aquele plano de streaming de filmes que você paga e nem usa? Sabe aquele plano de celular que você poderia viver sem? Ou que tal aquele pay-per-view de futebol que você poderia cancelar (ao menos por esse semestre)?

Ninguém disse que seria simples: alcançar a tão sonhada independência financeira envolve sacrifícios, envolve renúncias. Esse é o segredo dos vencedores.


4. Renegocie gastos necessários e úteis

Ok, você não precisa ser tão radical e cancelar por completo seu plano de TV a cabo. Nem deixar de ir à academia. Mas você poderia migrar para um plano mais barato em cada um desses itens. Compreende que o efeito financeiro total (por ano) da economia neste tópico e no anterior seria bastante significativo?

5. Não despreze as pequenas quantias

Um ditado chinês diz para tomarmos cuidado com as pedras pequenas (porque as grandes, nós enxergamos). Essa pitada de sabedoria oriental diz tudo, não?

6. Compras, só à vista

Já falamos disso no item 1. Mas só para reforçar, esqueça o cheque especial, os parcelamentos, os crediários. Comprando à vista você paga menos porque recebe descontos e também porque evita o pagamento de juros.

7. Separe ao menos 30% do seu salário para investir

Quando você sair da fase em que trabalha pelo dinheiro, para uma outra em que o dinheiro trabalha para você, meus parabéns, você alcançou seu sucesso financeiro. Isso se atinge investindo.

Dessa forma, reserve 30%, 40%, se possível, 50% de seus rendimentos para investir em previdência privada, títulos de renda fixa e outros ativos que vão multiplicar seu patrimônio.

8. Estude o mercado financeiro

O que é plano financeiro? Somente organizar suas contas? Não. É ajustar suas contas para que você tenha uma reserva de emergência, bem como recursos disponíveis para investir no mercado financeiro. Mas para que essa empreitada seja bem-sucedida, é imprescindível que você se torne um bom conhecedor das possibilidades de acumulação de patrimônio.

Quais são os tipos de seguro de vida? Qual plano de previdência privada é melhor para você, o PGBL ou o VGBL? Tesouro Selic ou CDB prefixado? Seu estudo precede o sucesso, não tenha dúvida disso.

Gostou do artigo? Então curta nossa página nas redes sociais! Estamos no FacebookTwitterLinkedInYoutube e Instagram! Sucesso e até o próximo post!