7 passos para escolher o melhor seguro de vida

7 passos para escolher o melhor seguro de vida

A preocupação com a segurança financeira da família sempre vai ser um assunto central na sua vida até que você consiga adquirir estabilidade. Isso porque existem acontecimentos que ninguém pode prevê e, na maioria das vezes, você não está preparado financeiramente para enfrentá-los. É nesses momentos que esta pergunta pode incomodá-lo: por que não fiz o melhor seguro de vida antes?

Apesar de ser ainda uma cultura em consolidação no Brasil, precaver-se e adquirir um seguro de vida garante não só a segurança de todos os seus projetos atuais e futuros, mas também a proteção financeira da sua família.

Se você já tem dependentes, certamente se preocupa com a proteção financeira e o conforto deles, não é mesmo? E se você é jovem e ainda não tem filhos, deseja se resguardar da mesma forma, já que a cobertura de um seguro de vida, é claro, está relacionada diretamente à sua própria segurança!

Para auxiliá-lo na hora de escolher os os melhores seguros de vida, este post traz 7 passos práticos. Mas antes disso, vejamos o que é um seguro de vida, como funciona e qual a sua importância. Acompanhe!

Como funciona um seguro de vida?

O seguro de vida é basicamente um contrato feito com uma seguradora para garantir que você e seus familiares (ou dependentes) tenham o suporte financeiro necessário caso o titular venha a falecer.

Embora a cobertura por morte acidental ou natural seja a proteção básica obrigatória de qualquer plano, esse seguro pode amparar o usuário também em outras situações. Sendo uma das categorias inclusas nos seguros de pessoas, ele pode ser combinado com outros tipos de coberturas para oferecer ao segurado e sua família algumas garantias adicionais, como:

invalidez por acidente;

● invalidez laboral permanente por doença — aquela da qual não se pode esperar recuperação e que impede o segurado de exercer sua atividade de trabalho principal;

invalidez funcional permanente causada por doença — que torna o segurado dependente de outros para realizar as atividades básicas do dia a dia;

doenças graves;

diária de internação hospitalar ou incapacidade temporária;

● suporte no caso de desemprego ou perda de renda.

Tendo isso em mente, saiba como escolher seu plano de seguro de vida!

Como escolher o melhor seguro de vida?

1. Fique por dentro de alguns conceitos e termos

Ao começar a pesquisar sobre seguros de vida, você vai se deparar com uma série de termos que talvez ainda lhe sejam desconhecidos. Então, é importante se familiarizar com eles para facilitar seu entendimento sobre algumas características dos planos.

Por isso, preparamos uma série de vídeos e um pequeno glossário para você ficar por dentro dos principais conceitos:

PRÊMIO

É mensalidade ou valor pago à seguradora para que ela assuma um risco. O prêmio é calculado com base na possibilidade de um sinistro ocorrer dentro da vigência do contrato. Ou seja, quanto maior o risco, maior o valor do prêmio.

SINISTRO

É um evento ou dano previsto no contrato.

FRANQUIA

É a parte que o segurado precisará pagar em caso de algum prejuízo. Embora não exista franquia em seguro de vida, poderá haver essa cobrança em seguros de acidentes pessoais. Nesse caso, o usuário talvez tenha que arcar com parte dos gastos médico-hospitalares. De qualquer forma, isso deverá ser especificado no contrato.

CARÊNCIA

Carência é o período pelo qual a seguradora não se responsabiliza em pagar nenhuma indenização.

COBERTURA

É o tipo de risco ao qual a seguradora se compromete dar suporte, como morte, acidentes, doenças graves, invalidez etc.

APÓLICE

Apólice é o documento ou contrato emitido pela seguradora que declara as coberturas e condições do seguro.

VIGÊNCIA

Período de validade das garantias do contrato, definido pela data de início e fim.

DOENÇA CRÔNICA

Enfermidade progressiva em que não se espera uma cura, ou seja, é irreversível.

INVALIDEZ ABSOLUTA E DEFINITIVA

Situação permanente em que o usuário depende de outras pessoas para realizar ações rotineiras, como se vestir, comer ou tomar banho.

INVALIDEZ PERMANENTE

É a perda total ou parcial em caráter contínuo da capacidade funcional de algum membro ou parte do corpo.

2. Tire suas principais dúvidas

Entendidos alguns conceitos básicos, vamos ao segundo passo: sanar as principais dúvidas.

O SEGURO DE VIDA SÓ PODE SER USADO SE A PESSOA VIER A FALECER?

A cobertura por morte é o básico, mas, como vimos, existem outras garantias que podem favorecer o segurado e sua família ainda em vida, como suporte para tratamento de doenças graves e indenizações por invalidez.

EXISTE UM LIMITE DE IDADE PARA CONTRATAR UM SEGURO DE VIDA?

No geral, as seguradoras impõem um limite de até 65 anos para contratar um plano.

Para menores de 14 anos, algumas seguradoras não oferecem seguros; já outras colocam uma série de restrições que já são previstas por lei — são permitidas apenas as coberturas por sobrevivência (pagamento de renda) e reembolso de despesas (médico-hospitalares, funeral etc.).

HÁ PROFISSÕES QUE NÃO SÃO ACEITAS?

Sim, há. Profissões com maior risco de vida, como policiais e motoristas, são geralmente recusadas pelas seguradoras ou possuem o valor da apólice menor. Por outro lado, existem seguros específicos para profissionais de segurança.

E SE EU PRATICAR ESPORTE DE RISCO?

Como o risco de acidentes é maior, o valor do prêmio (valor que se paga à seguradora) também é alto. Vale lembrar que, nesse caso, as empresas também podem recusar a contratação.

POSSO CONTRATAR MAIS DE UM SEGURO?

Sim, não há limites. Em caso de sinistro, o segurado vai receber o valor correspondente a cada apólice.

Seguindo esses dois primeiros passos, você estará pronto para dar prosseguimento à sua busca do melhor seguro de vida, que seja ideal para você e sua família.

3. Avalie os tipos de coberturas

Antes de procurar uma seguradora, você precisa definir que tipo de seguro você quer obter, ou seja, o que necessita que ele cubra. Mas, como existem diversas tipos de cobertura, é importante analisar quais atendem melhor às suas necessidades e da sua família. Entre as coberturas mais praticadas estão:

● Despesas Médicas, Hospitalares e Odontológicas (DMHO);

Diárias de Incapacidade Temporária (DIT);

Diárias por Internação Hospitalar (DIH);

Doenças Graves (DG);

Invalidez Funcional Permanente Total por Doença (IFPD);

Invalidez Laborativa Permanente Total por Doença (ILPD);

Invalidez Permanente por Acidente Majorada (IPAM);

Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente (IPA);

Invalidez permanente total por acidente (IPTA);

Morte;

Morte por acidente.

Conheça os melhores seguros de vida e saiba como escolher

Assim, o segurado pode mesclar os diferentes tipos de cobertura para ter um plano ideal. Veja, de forma prática, algumas situações em que um seguro de vida poderá lhe atender:

● você sofreu um acidente que o afastou do trabalho por um tempo e depende do seu salário para pagar as contas: um seguro com uma cobertura de Diárias por Incapacidade Temporária (DIT) oferece uma quantia equivalente ao seu salário calculado de acordo com o número de dias em que você ficou afastado, dentro do limite contratado.

● você teve de ficar internado no hospital: um seguro com Diária por Internação Hospitalar (DIH) cobre os dias de internação.

● você foi diagnosticado com uma doença grave, como câncer, infarto, acidente vascular cerebral (AVC) ou mal de Alzheimer: você vai receber o valor que foi contratado para iniciar seu tratamento, ou empregá-lo segundo suas necessidades;

● você casou ou escolheu alguém para viver ao seu lado: não precisa contratar dois seguros. Para o cônjuge, existe uma extensão de cobertura para morte e acidente com um custo-benefício bem melhor do que dois seguros individuais, garantindo que seus dependentes estarão protegidos financeiramente;

● você sofreu um acidente ou doença que o deixou inválido e incapacitado de trabalhar: com um seguro de vida voltado para esse tipo de sinistro, você consegue receber uma quantia mensal ou uma indenização de uma vez só de acordo com o que escolher na hora da contratação;

● se você precisar de um transplante de órgãos, como rins, córnea, fígado, medula óssea ou coração: com uma cobertura voltada para esse risco, você possui direito a uma indenização.

● em caso de falecimento: nesse momento difícil, os familiares poderão contar com o apoio de profissionais experientes, que cuidarão de todos os procedimentos necessários para realização do funeral.

Feita a análise das coberturas oferecidas pelas seguradoras, decida qual é a mais adequada para você. Lembrando que você pode escolher tantas quantas achar necessário para garantir a sua tranquilidade e de sua família!

4. Analise se as mensalidades não vão comprometer suas finanças

Antes de fechar o contrato, analise se os valores das mensalidades, ou do prêmio, não vão comprometer as suas finanças. Coloque na ponta do lápis — ou em uma planilha — todos os seus gastos, com alimentação, lazer, escola dos filhos, despesas fixas do lar, entre outros, e verifique o quanto você pode pagar por mês para adquirir um seguro de vida.

Lembre-se de que um seguro é voltado para garantir o pagamento dessas contas caso aconteça algo com você. A precificação varia de acordo com cada seguradora, o tipo de seguro e até mesmo a idade do contratante. Mas não se preocupe! Os preços das mensalidades costumam ser bastante acessíveis — em média, a partir de R$ 20 mensais.

5. Faça orçamentos e simulações para escolher o melhor seguro de vida

Pesquisar os valores de outras seguradoras pode ser interessante para que você possa ter mais opções. Além dos preços, você deve levar em consideração se as coberturas oferecidas por elas suprem as suas necessidades, pois de nada adianta você querer economizar nos valores das mensalidades e escolher um seguro que não lhe resguarda de fato.

A maioria das seguradoras tem sites nos quais você pode realizar simulações para aquisição do seu seguro. É necessário apenas inserir seus dados pessoais e, em questão de instantes, você recebe a sua cotação e verifica qual é o melhor plano para você.

6. Fuja das instituições que não prestam os devidos esclarecimentos

Não feche contrato com instituições que não apresentam os devidos esclarecimentos sobre o seguro. Não se sinta intimidado para perguntar e sanar suas dúvidas, afinal, quanto mais bem informado você estiver sobre o serviço que vai contratar e sobre a empresa que o oferece, mais fácil será encontrar um seguro que se adapte às suas necessidades e da sua família.

Não permita que o manipulem para comprar algo que você não esteja certo de que é o melhor no seu caso! Para se prevenir de todas essas situações, pesquise sobre a credibilidade da empresa na internet e com outros clientes e pessoas da sua confiança.

7. Analise a possibilidade de contratar um seguro de vida resgatável

Atualmente, existem dois tipos de seguros de vida no Brasil: os tradicionais e os resgatáveis. Estes últimos dão ao segurado a oportunidade de resgatar parte ou o total do prêmio pago à seguradora, mesmo que não ocorra nenhum sinistro.

Embora algumas empresas possam apresentar esse serviço como sendo um investimento, ele não é. Ainda que o plano ofereça a possibilidade de resgatar os rendimentos, esse valor adicional está embutido nas taxas e o índice percentual de retorno supera a inflação do período. Ou seja, não há rentabilidade.

No entanto, ainda assim existem vantagens nesse modelo resgatável. Além de serem uma ferramenta para criar uma reserva financeira, esses planos possuem uma vigência maior (superando os 10 anos), de modo que seja possível reduzir o aumento do valor do prêmio, o qual é corrigido apenas com base na inflação. Assim, seus gastos em longo prazo com planos de seguro de vida ficam muito mais previsíveis.

Por que contratar um seguro de vida?

O seguro de vida deveria ser a base do planejamento financeiro familiar de todos os brasileiros. Ele é como uma semente de segurança que você planta em seu lar, garantindo que os imprevistos não sejam motivos de preocupação e permitindo que você e sua família desfrutem de mais tranquilidade frente às intempéries da vida.

As principais vantagens em adquirir um seguro de vida são:

● tranquilidade: independentemente do que vier acontecer, sua família estará segura, podendo se restabelecer em quaisquer circunstâncias;

● segurança financeira: o cônjuge e os filhos não precisarão se preocupar com as finanças, pois o seguro oferece a eles a oportunidade de manter seu antigo padrão de vida;

● custo-benefício: as mensalidades do seguro não são altas, especialmente considerando o número de vantagens que você tem ao adquirir o um.

Normalmente, o seguro de vida só é lembrado quando realmente precisamos dele, isto é, em um momento de perda ou mudança brusca na realidade de vida — e aí já não adianta mais pensar na contratação.

Mas, para que isso não aconteça e você possa ter a tranquilidade financeira para garantir a sua paz e da sua família, é importante que procure uma seguradora de confiança, preocupada em zelar pelo seu bem-estar e segurança.

Nossas dicas sobre como escolher o melhor seguro de vida foram úteis? Então, que tal se aprofundar ainda mais no assunto baixando o nosso e-book “Guia do seguro de vida: entenda como funcionam os diferentes tipos”?