Como guardar dinheiro todo mês? 9 dicas essenciais!

Como guardar dinheiro todo mês? 9 dicas essenciais!

Como guardar dinheiro? Bom, isso atualmente é bem mais difícil do que era há 20 anos. Não é que as pessoas ganhavam mais e, por isso, poupavam. É que o estímulo ao consumo era menor, e as tentações para gastar não eram tão frequentes.

Partindo dessa reflexão, queremos mostrar a você que é possível guardar dinheiro sem sacrificar sua vida social e seus momentos de lazer. Continue lendo para ver as nossas dicas!

Será mesmo que é preciso se sacrificar tanto para guardar dinheiro?

Entenda como é possível guardar dinheiro sem sacrificar a vida social

Aquele show imperdível do cantor que você mais ama; um novo plano de pacote de dados para marcar presença em todas as discussões no Facebook… Que tal renovar o guarda-roupa com a nova coleção que acabou de sair (e que está lá, reluzente, esperando por você na vitrine do shopping)?

Como guardar dinheiro desse jeito?

Junte um mercado estimulador do consumo a um país que não tem cultura de poupar. Acrescente generosas pitadas de comportamentos inerentes ao próprio ser humano. Pronto: temos a combinação perfeita para uma dificuldade imensa para guardar dinheiro!

Freud explica

Um estudo feito por uma equipe de neurocientistas da Cornell University descobriu que as pessoas preferem ganhar dinheiro em vez de guardá-lo. Isso porque o cérebro aprendeu a priorizar ganhar mais dinheiro em detrimento de poupá-lo.

Esse componente neurológico mostra que, apesar das particularidades culturais brasileiras, toda a humanidade só poupa dinheiro com muito esforço.

No estudo, foi analisado um grupo de pessoas com idade média de 21 anos. Elas foram orientadas a associar uma cor a “ganho”, o que lhes garantia 30 centavos, e outra cor a “poupança”, e isso lhes evitava a perda de 30 centavos.

Mas eles não sabiam previamente qual era o objeto de análise. Acreditavam que tratava-se de um experimento de percepção de tempo e tomada de decisões — medição da rapidez com que respondiam às cores e ao que elas representavam, bem como os ganhos obtidos.

Segundo os pesquisadores, quase 90% dos participantes optaram por ganhar mais do que economizar. Muitos relataram que viram a cor associada ao ganho na tela primeiro, quando, na verdade, estavam vendo a cor que correspondia à economia.

A hora de guardar dinheiro é agora

Se você é um jovem que pensa no futuro, mas não sabe como juntar dinheiro, está na hora de aprender. Saiba que existem diversas estratégias para fazer seu salário render mais, para você começar a construir uma vida financeira sólida.

E mais: isso não significa que você vai passar a vida dentro de casa, pois precisa poupar. Pelo contrário: com estratégia, ou seja, seguindo uma série previamente pensada de passos, isso é mais que possível.

O que é preciso ter em mente é: se você é jovem, comece já. Quanto mais tempo você deixar passar, mais o comportamento descoberto pelos neurocientistas da Cornell University vai se solidificar.

Pense nas seguintes proposições relativas a poupar dinheiro:

• garante um futuro mais tranquilo;

• permite que você atinja seus objetivos de vida;

• permite viajar, passar férias onde quiser, e se divertir sem sufocos ao fim de mês;

• é a única maneira de juntar dinheiro para investir e prosperar!

É possível transformar sua mentalidade para passar a guardar dinheiro com prazer e sem sacrifícios?

A seguir, veja algumas dicas dos estudiosos da Cornell University. Elas são focadas em mudar seu comportamento em relação a guardar dinheiro e, principalmente, gastar menos.

Reconheça que o hábito de não poupar é um problema

Diversas prioridades e superfluidades estão competindo por seu dinheiro suado neste momento. Para a maioria das pessoas, se você ganhar mais dinheiro, as economias não serão iguais. No entanto, a ideia de que ganhar mais dinheiro resolverá seus problemas é errada.

Então, encare o problema de frente. Diga “eu estou desperdiçando meu dinheiro; se tiver mais ingressos, ainda assim, não conseguirei poupar”.

Transforme a economia em uma escolha ativa

Separar uma fatia do seu salário para emergências é útil para construir suas reservas. Em geral, isso se faz sem pensar profundamente no tema.

Agora, se você quer mudar sua mentalidade de “ganhar mais” para “poupar mais”, precisar ir além: fazer uma escolha ativa.

Segundo o relatório do estudo da já citada Cornell University, os cientistas recomendam que você transforme a escolha de economizar em um propósito.

Economizar um real por dia não vai proporcionar uma abundância de poupanças, mas essa prática constante ajuda a gerar consciência e criar o hábito. Coloque uma meta de poupança diária e a siga durante um mês. Ao final, olhe para o quanto conseguiu juntar.

Pense no futuro

Segundo os neurocientistas, por razões inerentes à espécie humana, nós sempre priorizamos o presente. A sobrevivência imediata é a nossa regra, portanto atribuímos ao futuro uma importância menor. Isso ajuda a explicar o motivo pelo qual preferimos ganhar em vez de guardar dinheiro.

Segundo os cientistas, é útil começar a visualizar a vida lá no futuro. Ao projetar, a necessidade de guardar passa a ter um peso maior do que a de ganhar mais dinheiro. É algo como “preciso fazer agora, com o que tenho”.

Como guardar dinheiro a partir de hoje, mesmo sem ganhar mais? Veja 9 dicas

Depois dessa reflexão sobre os aspectos mentais, vamos agora às dicas práticas para poupar dinheiro com os ganhos que você tem hoje. Confira a seguir!

Veja como guardar dinheiro a partir de hoje!

1. Sistematize suas receitas e despesas

Você entraria em um barco cujo timoneiro não possui bússolas, mapas, orientadores cartográficos, enfim, absolutamente nada para navegar? Com certeza não, porque sabe que, sem planejamento sistematizado, não se chega a lugar algum. O mesmo vale para suas finanças pessoais!

Coloque todas as suas receitas e despesas em uma planilha ou software para controlar gastos. Essa organização vai dar uma visão geral sobre sua real situação financeira, facilitando a tomada de decisões e a correção de desperdícios.

O registro é o ponto de partida para uma segunda etapa, em que você vai classificar todos os seus custos em despesas essenciais, despesas úteis e despesas supérfluas.

2. Corte despesas supérfluas ou renegocie seus custos

A partir da divisão citada acima, faça uma reflexão profunda do que pode ser enxugado. Corte o que é supérfluo e readapte o que é útil.

Gastos como planos de pagamento de celulares, TV a cabo e academia (considerados úteis pela maior parte dos jovens) podem ser reajustados em uma nova negociação com as empresas fornecedoras desses serviços. Em alguns casos, os abatimentos chegam a 50%.

Por que ter o plano mais abrangente de academia se você acaba utilizando somente o básico 95% das vezes? Pense nisso. E tenha certeza: apenas fazendo esses cortes e realinhamentos, você conseguirá reduzir suas despesas em níveis significativos!

3. Separe suas despesas fixas das variáveis

Uma outra dica importante é diferenciar os gastos fixos dos variáveis. Ou seja, aqueles que são obrigatórios e têm valores preestabelecidos daqueles que variam por uma série de razões.

Aluguel, energia elétrica, condomínio… Isso tudo entra nas despesas fixas. Separe-as, veja quanto elas representam e estude maneiras de reduzi-las. Todo o restante representa as despesas variáveis.

Sobre as variáveis, você pode trabalhar com mais folga. Por exemplo, ao analisar seu histórico de custo mensal com alimentação, poderá ver se está gastando demais. E poderá trabalhar para reduzir os almoços em restaurantes, por exemplo.

Ao olhar para esses dois extremos, você terá uma visão panorâmica do que vem gastando. Poderá ver o que de fato é prioridade e o que pode ser cortado sem causar uma grande diferença em sua vida.

4. Cheque especial? Crediário? Pagamento mínimo no cartão? Nem pensar!

Com certeza você tem um amigo que adora dizer que consegue economizar, que não entra em dívidas e que sabe como fazer seu salário render.

Mas, para cada amigo desse, certamente há outros 10 cujo salário não resiste nem mesmo à segunda semana do mês.

O segredo do seu amigo “sortudo” provavelmente está no hábito de priorizar pagamentos à vista. Isso é algo raro em nossa cultura, mas traz benefícios poderosos ao seu bolso!

Segundo uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), quase 80% dos brasileiros não vivem sem fazer uma compra a prazo. Esse tipo de compra confunde o indivíduo, desorganiza seu orçamento doméstico e, principalmente, o empobrece. Procure saber: os juros do cartão de crédito costumam passar dos 300% ao ano no Brasil.

Trocando em miúdos, não basta ter um plano de carreira se você não tem um plano de organização financeira. Procure fazer todos os seus pagamentos à vista, hábito que o fará ganhar duas vezes:

1. impedindo que seu dinheiro escorra pelo ralo com pagamento de juros;

2. dando a você maior poder de barganha para comprar por preços melhores.

5. Utilize o cartão de crédito de maneira inteligente

Voltemos ao cartão de crédito. Ele é um dos maiores vilões; é, como já disse o poeta, “uma navalha”. Não é preciso fugir dele; basta usá-lo com inteligência.

Eis algumas dicas preciosas:

• trabalhe com um cartão com baixa anuidade — renegocie essa taxa com o gerente do seu banco, por exemplo;

• só use o cartão para o que for estritamente necessário; para bens e serviços que de fato agregam. Para o supérfluo do dia a dia, prefira dinheiro vivo. Você vai ver como o montante gasto ao final do mês é bem menor;

• não use o cartão de crédito para compras de impulso. Use-o apenas para aquisições planejadas — previamente pensadas e pesquisadas.

6. Reserve dinheiro para lazer

O calcanhar de Aquiles de muitos jovens são os convites “inesperados” para festas, baladas, viagens, shows ou encontros com os amigos.

Tudo isso é incrível, mas acaba sendo um dos maiores vilões do orçamento doméstico. Como as atividades sociais são diversas, fica sempre difícil entender quanto se gastará no mês seguinte.

Uma dica para quem não sabe como guardar dinheiro nessa situação é reservar previamente uma “cota” para suas despesas de lazer.

Assim como um governo trabalha com “dotações”, você terá sua “cota” de gastos dessa natureza. O valor deve ser real, mas ele não pode esbarrar de forma alguma em suas metas financeiras. Em outras palavras: separe um montante de dinheiro e adeque seu lazer a ele; não o contrário, como é de costume.

Em vez de reduzir suas metas para ampliar a margem de despesa de lazer, enxugue gastos desnecessários para redirecionar “verbas” a esse tipo de despesa. Mas lembre-se: seus objetivos maiores são sagrados e devem ficar de fora de qualquer tipo de flexibilização.

7. Estipule metas financeiras

Não sabemos o que o amanhã nos reserva. E se no futuro não pudermos trabalhar? Conquistar a estabilidade financeira é imprescindível para ter uma vida tranquila, independentemente das surpresas do destino.

Mas alcançar esse “nirvana” depende de criar o hábito, desde cedo, de estabelecer metas financeiras. Esse é o fio condutor que levará ao sucesso patrimonial! Aprenda a gerenciar sua vida como um diretor financeiro comanda os recursos de uma empresa.

Após sistematizar suas receitas e despesas formalmente por meio de planilhas ou softwares de controle financeiro, estipule metas para investimento. Elas devem ser mensais, factíveis e seguidas à risca, com extrema obstinação.

8. Aproveite a tecnologia

Com a tecnologia disponível atualmente, controlar as despesas pessoais é cada dia mais fácil.

Vá agora à loja de aplicativos do seu smartphone e digite “finanças pessoais”, “controle de gastos”, “educação financeira”. Você vai se surpreender com a quantidade de apps disponíveis. Muitos deles, inclusive, são gratuitos.

Faça o download de algum e experimente. Certamente, você vai encontrar algumas aplicações úteis que vão te ajudar a guardar dinheiro.

9. Abrace a cultura de investir

Nos Estados Unidos, 85% do patrimônio das famílias poupadoras está fora dos bancos. No Brasil, 76% dos que guardam dinheiro desperdiçam seu esforço mantendo-o estagnado na caderneta de poupança.

Lembre-se: costumeiramente, a poupança apresenta rentabilidade líquida anual muito pequena quando descontada a inflação.

Não é um bom negócio deixar dinheiro na caderneta de poupança. O desconhecimento dos melhores produtos financeiros do mercado faz com que muitas pessoas deixem de multiplicar seu patrimônio ou se preparar para o futuro.

Em especial, com a iminente aprovação da Reforma da Previdência (que precariza ainda mais a aposentadoria dos que estão entrando agora no mercado de trabalho), é preciso atentar à necessidade de plantar o que se deseja colher no futuro.

Você, por exemplo, já pensou em proteger suas próximas décadas com um plano de previdência privada (que pode quadruplicar seus rendimentos no futuro)?

Entendeu como guardar dinheiro? Perfeito. Mas não se vence uma guerra só com teoria, não é mesmo?

Bem, já que um bom soldado precisa de um bom armamento, para finalizar, disponibilizamos uma planilha de orçamento pessoal para você sistematizar com muito mais facilidade todo seu fluxo de gastos. Agora é com você! Sucesso e até a próxima!

  • Publicado

    06 de junho de 2019

  • Categoria

    Educação Financeira

  • Tags Relacionadas

    Finanças pessoais