6 dicas para escapar das dívidas do cheque especial

6 dicas para escapar das dívidas do cheque especial

É um cenário bem comum: os gastos do dia a dia superam as receitas e as contas do mês não fecham. Resultado: recorre-se ao cheque especial, que é um dinheiro de fácil acesso, disponível na conta-corrente.

Apesar da aparente facilidade, fazer uma dívida nessa modalidade de crédito é um perigo. Isso porque o cheque especial, junto com o cartão de crédito, cobra um dos maiores juros do mercado.

Para ter uma ideia, a taxa média de juros do cheque especial cobrada pelos bancos em maio de 2017, de acordo com a Fundação Procon/SP, foi de 13,48% ao mês. A taxa do empréstimo pessoal foi de 6,37% a.m. no mesmo período. Em termos práticos, isso quer dizer que a pessoa que entra no cheque especial paga muito mais em juros do que alguém que recorre ao crédito pessoal.

Para fugir dessa bola de neve e escapar das dívidas do cheque especial de uma vez por todas, alguns cuidados são necessários. Entre eles, fazer um controle rigoroso de gastos, negociar com o banco e, até mesmo, trocar o débito nessa modalidade por uma alternativa mais barata, como um consignado ou empréstimo pessoal.

Veja 6 dicas para escapar das dívidas do cheque especial:

1. Analise suas finanças

O primeiro passo para escapar das dívidas do cheque especial é fazer uma análise completa da sua vida financeira. Comece elencando suas receitas (salário, rendimentos, pensão etc). Em seguida, liste todos os gastos que têm, separando-os em categorias. Anote mesmo as menores despesas. Somadas, elas podem fazer toda a diferença no seu orçamento.

Com todas as entradas e saídas em mãos, você tem um panorama completo da sua vida financeira e pode analisar onde é possível cortar despesas para equilibrar as finanças e não ficar em débito com o cheque especial, além de identificar áreas em que pode economizar dinheiro.

2. Negocie com o banco

Quem já está devendo no cheque especial não pode apenas cortar gastos: é preciso ir além e partir para uma negociação com o banco para quitar a dívida.

É importante chegar para conversar com o gerente já com uma proposta para apresentar. Para isso, pegue a análise que você fez das suas finanças e veja qual é a sua real capacidade de pagamento. Analise se é possível abater parte dos juros e dividir o valor que deve em parcelas que sejam possíveis para você.

Lembre-se que se você tem interesse em pagar, o banco também tem interesse em receber. Por isso, não aceite a primeira proposta apresentada pela instituição financeira. Busque um acordo que você efetivamente vá conseguir cumprir.

3. Faça um planejamento financeiro

Para escapar das dívidas do cheque especial, partir para o planejamento da vida financeira é preciso. O primeiro passo nesse sentido é estipular quanto pode gastar em cada categoria do seu orçamento de forma que suas despesas nunca ultrapassem suas receitas. Antes mesmo de começar o mês, coloque no papel sua meta para cada área da vida, começando sempre pelos gastos fixos e essenciais, como aluguel, condomínio, mensalidade do colégio do filho etc.

Caso tenha feito um acordo com o banco, não se esqueça de prever a parcela que deve pagar para quitar sua dívida com o cheque especial. Importante ter em mente que o valor destinado para o pagamento de dívidas não deve superar 15% da sua renda líquida mensal.

4. Controle gastos

Sair do cheque especial e nunca mais voltar deve ser encarado como prioridade. Apenas dessa forma é possível manter sua segurança financeira e da sua família. Só há uma forma de tornar esse objetivo uma realidade: é preciso mudar hábitos nocivos e tornar o controle de gastos parte da sua vida.

Aposte em aplicativos financeiros e tenha o registro de toda e qualquer despesa que tiver. Dessa forma, você garante que está conseguindo se manter dentro do planejamento das finanças que fez e, ainda, que está usando seu dinheiro da melhor forma possível.

Para manter os gastos sob controle, não hesite em abrir mão de parcelamentos e crie hábitos como sempre pesquisar o preço de determinado produto antes de adquirir e fugir das compras por impulso.

5. Troque a dívida por uma mais barata

Em determinados casos, trocar a dívida no cheque especial por uma opção mais barata é a melhor alternativa para fugir dos altíssimos juros cobrados pelo banco.

Empréstimo consignado, crédito com garantia de imóvel e crédito pessoal são algumas das modalidades que oferecem juros mais competitivos que os do cheque especial.

Trocar uma dívida cara por outra mais barata é uma saída para limpar o nome e pagar menos juros. No entanto, é essencial mudar a forma como você consome para efetivamente sair do vermelho, manter as finanças em dia e não ter dor de cabeça com outra dívida.

6. Considere abrir mão de bens/investimentos

Outro dica que pode ajudar a escapar das dívidas do cheque especial é analisar se vale a pena abrir mão de um bem, como um carro ou uma moto, para quitar seu débito com o banco.

Quem tem algum dinheiro investido também deve considerar a possibilidade de retirar parte da quantia para pagar o cheque especial. É importante, nesses casos, colocar na balança o rendimento que deixará de ganhar e os juros que está pagando para ver se vale a pena.

Mudar hábitos e tornar o planejamento financeiro parte da rotina são cuidados essenciais para escapar das dívidas do cheque especial. Se você já está devendo ao banco, não perca mais tempo e parta para uma negociação para evitar pagar ainda mais juros. Trocar a dívida na modalidade por uma mais barata pode ser uma opção interessante para pagar menos, assim como vender algum bem ou abrir mão de investimentos.

Não esqueça ainda da importância de manter os gastos sob controle: use o cartão de crédito com sabedoria, fuja das compras por impulso, evite parcelamentos e, principalmente, procure saber para onde está indo seu dinheiro. Dessa forma, você evita gastar mais do que ganha.

Curtiu este conteúdo? Não deixe de ler também quais são as dívidas boas e as ruins.

  • Publicado

    13 de julho de 2017

  • Categoria

    Educação Financeira

  • Tags Relacionadas

    Finanças pessoais